Terceirização de frotas

O mercado de aluguel de veículos estava em alta há alguns anos. Prova disso é que em 2019 atingiu o recorde 49,6 milhões de locações diárias, segundo a Associação Brasileira de Locadoras de Automóveis (Abla). A pandemia, porém, afetou o setor, que fatura com viagens de lazer e de negócios, motoristas de aplicativos e terceirização de frotas.

“No pico do isolamento, ficamos com cerca de 90% da frota parada no segmento de turismo. No serviço de locação para motoristas de aplicativos, a paralisação foi de 80%. A terceirização de frota foi o negócio menos afetado por trabalhar com contratos de longo prazo, com 15% a 20% de redução e alguma inadimplência”, explica Paulo Miguel Jr., presidente da associação. 

Para enfrentar a crise, às três maiores locadoras de veículos do Brasil – Localiza, Movida e Unidas, – deram descontos e fizeram adaptações. Como mudanças nos procedimentos para diminuir o contato entre as pessoas e reforço na higiene. A atividade foi considerada essencial pelo governo federal, por isso, as lojas continuaram funcionando, ainda que em horários reduzidos. 

A força da terceirização de frotas

A Movida ampliou a utilização do web check-in, que antecipa procedimentos pelo celular ou computador e evita que o cliente vá até o balcão. Com isto a empresa reduz o contato com pessoas e o tempo para a retirada do veículo, que diminui de 15 para 5 minutos. Também lançou outros produtos, como carro 0 km para aluguel de longo prazo para pessoa física e atendimento online e delivery na venda de seminovos.

Webckekin da Movida
Check-in da Movida – Empresa aposta em automatização durante pandemia

Na Localiza, o aluguel de automóveis atingiu cerca de 53% da taxa de utilização. Já o segmento de gestão de frota se mostrou resiliente e até superou ligeiramente as taxas de utilização dos primeiros meses do ano, alcançando 97% em abril, segundo Elvio Lupo, diretor-executivo de Aluguel de Carros da Localiza.

“Com a terceirização de frotas, as empresas podem utilizar um capital antes imobilizado em novos investimentos ou na contenção de gastos, ainda mais no contexto da pandemia”, avalia Lupo.

Consolidação de tendências

Os diretores das locadoras também concordam que a pandemia consolidou algumas tendências. Exemplo é o aluguel de longo prazo para pessoa física e para motoristas de aplicativos, além do autoatendimento com ajuda da tecnologia. “São áreas em que já havia crescimento e que devem continuar a subir nos próximos meses”, indica Sarquis, da Unidas.

Fonte: Yahoo! Noticias

No responses yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *